Mudanças entre as edições de "Exoneração"

De Saude Legal
 
(45 revisões intermediárias por 2 usuários não estão sendo mostradas)
Linha 1: Linha 1:
É a cessação do exercício de um cargo provido por nomeação ou designação. Pode ser voluntária ou por recomendação da autoridade. <ref name="Farhat1996">Saïd Farhat. ''[http://books.google.com.br/books?id=8RZOrdXDxG4C&pg=PA416&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false Dicionário parlamentar e político: o processo político e legislativo no Brasil]''. Editora Peirópolis; ISBN 978-85-06-02295-5. p. 415–416.</ref>
+
<div align="justify">É a cessação do exercício de um cargo provido por nomeação ou designação. Pode ser voluntária ou por recomendação da autoridade. <ref name="Farhat1996">Saïd Farhat. ''[http://books.google.com.br/books?id=8RZOrdXDxG4C&pg=PA416&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false Dicionário parlamentar e político: o processo político e legislativo no Brasil]''. Editora Peirópolis; ISBN 978-85-06-02295-5. p. 415–416.</ref>
  
 
+
A exoneração de cargo de provimento '''efetivo''' dá-se '''''a pedido''''' do servidor ou de ofício.<ref name=b>[http://www.sinj.df.gov.br/sinj/Norma/70196/Lei_Complementar_840_23_12_2011.html Lei Complementar nº 840/2011, capítulo V]</ref><br>
A exoneração de cargo de provimento '''efetivo''' dá-se ''a pedido'' do servidor ou de ofício.<ref>[http://www.fazenda.df.gov.br/aplicacoes/legislacao/legislacao/TelaSaidaDocumento.cfm?txtNumero=840&txtAno=2011&txtTipo=4&txtParte=. LC 840/2011, capítulo V]</ref><br>
+
A exoneração '''''de ofício''''' dá-se, exclusivamente, quando o servidor:<br>
A exoneração ''de ofício'' dá-se, exclusivamente, quando o servidor:<br>
 
 
I – for reprovado no [[estágio probatório]];<br>
 
I – for reprovado no [[estágio probatório]];<br>
 
II – tendo tomado posse, não entrar em exercício no prazo estabelecido.<br>
 
II – tendo tomado posse, não entrar em exercício no prazo estabelecido.<br>
Linha 12: Linha 11:
  
  
= Passo a passo =
+
= Instrução processual =
  
Todo ato administrativo (no caso, o desligamento do servidor) deve possuir uma justificativa racional, ou seja, a instrução do devido processo legal que configura uma regulação dos processos mediante os quais a administração fornece as razões para seus atos - aplicações de normas jurídicas. <ref name=a>[https://drive.google.com/file/d/1zpQG_tb5YIHA57gCb1gVg8aqWRotUjv_/view?usp=sharing Circular SEI-GDF n.º 3/2019 - SES/SUGEP/COAP/DIAP]</ref> O servidor que for exonerado, seja a pedido ou por fim de vínculo contratual, deverá procurar o núcleo de pessoal da unidade
+
Todo ato administrativo (no caso, o desligamento do servidor) deve possuir uma justificativa, ou seja, a instrução do devido processo legal que configura uma regulação em que a administração fornece as razões para seus atos e a aplicação das normas jurídicas.
de lotação para, por meio de requerimento próprio, apresentar as seguintes documentações:<ref>[http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2017/10/Manual-do-Servidor-2018-Vers%C3%A3o-Web.pdf Manual do Servidor 2018]</ref><br>
+
{| class="wikitable"
 +
|-
 +
| O servidor que for exonerado, seja a pedido ou por fim de vínculo contratual, deverá procurar o núcleo de pessoal da unidade de lotação para, por meio de requerimento próprio, apresentar as seguintes documentações:<ref>[http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2017/10/Manual-do-Servidor-2018-Vers%C3%A3o-Web.pdf Manual do Servidor 2018]</ref><br>
 
a) Requerimento de exoneração a pedido ou publicação da exoneração em Diário Oficial;<br>
 
a) Requerimento de exoneração a pedido ou publicação da exoneração em Diário Oficial;<br>
 
b) Requerimento de verbas rescisórias (quando aplicáveis);<br>
 
b) Requerimento de verbas rescisórias (quando aplicáveis);<br>
c) Declaração de bens atualizada e condizente com a data da exoneração;<br>
+
c) Declaração de bens atualizada e '''condizente com a data da exoneração''';<br>
 
<small><blockquote>
 
<small><blockquote>
 
<div align="justify">
 
<div align="justify">
Linha 25: Linha 26:
 
''§ 2º '''A declaração de bens será anualmente atualizada e na data em que o agente público deixar o exercício do mandato, cargo, emprego ou função.'''<br>''
 
''§ 2º '''A declaração de bens será anualmente atualizada e na data em que o agente público deixar o exercício do mandato, cargo, emprego ou função.'''<br>''
 
''§ 3º Será punido com a pena de demissão, a bem do serviço público, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, o agente público que se recusar a prestar declaração dos bens, dentro do prazo determinado, ou que a prestar falsa.<br>''
 
''§ 3º Será punido com a pena de demissão, a bem do serviço público, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, o agente público que se recusar a prestar declaração dos bens, dentro do prazo determinado, ou que a prestar falsa.<br>''
''§ 4º O declarante, a seu critério, poderá entregar cópia da declaração anual de bens apresentada à Delegacia da Receita Federal na conformidade da legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, com as necessárias atualizações, para suprir a exigência contida no caput e no § 2° deste artigo. (...)”''  <ref>[https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1992/lei-8429-2-junho-1992-357452-normaatualizada-pl.html Lei nº 8429 de 1992]</ref>;
+
''§ 4º O declarante, a seu critério, poderá entregar cópia da declaração anual de bens apresentada à Delegacia da Receita Federal na conformidade da legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, com as necessárias atualizações, para suprir a exigência contida no caput e no § 2° deste artigo. (...)”''  <ref>[https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1992/lei-8429-2-junho-1992-357452-normaatualizada-pl.html Lei nº 8429/1992]</ref>;
 
</div>
 
</div>
 
</blockquote></small>
 
</blockquote></small>
 
d) Termo e entrega de crachá.<br>
 
d) Termo e entrega de crachá.<br>
 +
|}
 +
O acerto de contas é feito mediante apresentação da declaração de bens e apresentação dos demais documentos acima, no núcleo de pessoal de lotação do servidor. Os dias trabalhados no mês da exoneração serão pagos no acerto de contas.
 +
<!-- == Servidor efetivo ==
 +
Devem constar no processo de exoneração do servidor efetivo:
 +
* Solicitação Padrão de Pedido de Exoneração/Vacância - Formulário próprio do SEI (Requerimento - Exoneração de Cargo), completamente preenchido e devidamente assinado/autenticado pelo servidor e chefia imediata (modelo SEI nº 12845029),
 +
* Declaração de Bens (item 3 do Requerimento - Exoneração de Cargo),
 +
* Em caso de vacância – Termo de posse/exercício do novo cargo e/ou documentos comprobatórios que se fizerem necessários (verificar de servidor preenche todos os requisitos para ter direito à vacância conforme Lei Complementar n° 840/2011). OBS: em casos de vacância por 3º vínculo, cabe ao servidor comprovar que já acumula legalmente dois cargos públicos.
 +
* Em caso de falecimento – Cópia da Certidão de Óbito.
  
O acerto de contas é feito mediante apresentação da declaração de bens e apresentação dos demais documentos acima, no núcleo de pessoal de lotação do servidor. Os dias trabalhados no mês da exoneração serão pagos no acerto de contas.
+
O Núcleo de Gestão de Pessoas deve incluir/solicitar:
 +
* Recibo de Quitação Patrimonial,
 +
* Ficha Cadastral (SIGRH módulo CADRCA07),
 +
* Informação, emitida pelo Gabinete da Unidade Setorial de Correição Administrativa – SES/CONT/USCOR, quanto à existência de Processo Administrativo Disciplinar,
 +
* Cálculos exoneratórios do servidor. -->
  
=== Servidor comissionado ===
+
= Rotina no setorial de pessoas - desligamento de servidor comissionado =
  
O servidor sem vínculo efetivo com a SES, nomeado para cargo comissionado, ao ser exonerado em ato publicado em DODF tem o cargo retirado, ou seja, desvinculado da matrícula atribuída a este servidor. A GP/NGP deve então afastá-lo no Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH). O procedimento de retirada do cargo ocorre manualmente com o acompanhamento diário das publicações no Diário Oficial do DF pelo NUAM - Núcleo de Admissão e Movimentação; já o procedimento de afastamento e abertura do processo de exoneração/desligamento deve ocorrer através da GP/NP do servidor.  
+
O servidor sem vínculo efetivo com a SES, nomeado para cargo comissionado, ao ser exonerado em ato publicado em DODF tem o cargo retirado, ou seja, desvinculado da matrícula atribuída a este servidor. A GP/NGP deve então afastá-lo no [[Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH)]]. O procedimento de retirada do cargo ocorre manualmente com o acompanhamento diário das publicações no Diário Oficial do DF pelo NUAM - Núcleo de Admissão e Movimentação; já o procedimento de afastamento e abertura do processo de exoneração/desligamento deve ocorrer através da GP/NP do servidor.  
  
 
O status de "normal" ou "afastado" deve ser provisório e obrigatoriamente migrar para o status de "desligado" após a instauração do devido processo legal.
 
O status de "normal" ou "afastado" deve ser provisório e obrigatoriamente migrar para o status de "desligado" após a instauração do devido processo legal.
  
A instrução do devido processo legal é de '''competência da GP/NGP''' do local de lotação do servidor, responsável pela vida funcional dos servidores conforme DECRETO Nº 39.546, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2018 que aprova o Regimento Interno da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, publicado no DODF n° 241 de 20 de dezembro de 2018.
+
* A instrução do devido processo legal é de '''competência da GP/NGP''' do local de lotação do servidor, responsável pela vida funcional dos servidores conforme Decreto nº 39546/2018<ref>[http://www.sinj.df.gov.br/sinj/Norma/c7d8594440ea48969cee564fafa77865/Decreto_39546_19_12_2018.html Decreto nº 39546/2018]</ref> que aprova o [[Regimento Interno SES-DF|Regimento Interno]] da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.
  
 
É indispensável a abertura de Processo SEI devidamente instruído, conforme os seguintes passos:  
 
É indispensável a abertura de Processo SEI devidamente instruído, conforme os seguintes passos:  
Linha 49: Linha 62:
 
6. Anexar ao processo a publicação salva do DODF;<br>
 
6. Anexar ao processo a publicação salva do DODF;<br>
 
7. Anexar ao processo a ficha cadastral do servidor (CADRCA07);<br>
 
7. Anexar ao processo a ficha cadastral do servidor (CADRCA07);<br>
8. Encaminhar e-mail no processo solicitando o preenchimento e digitalização da Declaração de bens (SEI nº 43444570) preenchida, assinada com a '''data da publicação no DODF''', em PDF. No e-mail deve constar a página do DODF do item 2 como anexo, bem como a Declaração de bens para o
+
8. Encaminhar e-mail no processo solicitando o preenchimento e digitalização da Declaração de bens preenchida, assinada com a '''data da publicação no DODF''', em PDF. No e-mail deve constar a página do DODF do item 2 como anexo, bem como a Declaração de bens para o
 
preenchimento. Após o retorno do servidor, anexar a declaração de bens preenchida e assinada ao processo de exoneração do servidor. Caso não haja resposta com a Declaração de Bens, seguir orientação da Assessoria de Carreiras e Legislação - SES/SUGEP/ACL, no processo 00060-00032625/2019-35, que orienta encaminhar à USCOR para apuração conforme abaixo:
 
preenchimento. Após o retorno do servidor, anexar a declaração de bens preenchida e assinada ao processo de exoneração do servidor. Caso não haja resposta com a Declaração de Bens, seguir orientação da Assessoria de Carreiras e Legislação - SES/SUGEP/ACL, no processo 00060-00032625/2019-35, que orienta encaminhar à USCOR para apuração conforme abaixo:
 
<blockquote><small>
 
<blockquote><small>
Ante o exposto, esta ACL/SUGEP entende, s.m.j., que os casos nos quais o servidor deixa de apresentar a declaração de bens no momento da exoneração devem ser encaminhados à unidade de correição desta SES/DF, a fim de apurar quanto a necessidade de abertura de processo administrativo disciplinar. Ressalte-se que as unidades de gestão de pessoas, primeiramente, devem esgotar as possibilidades de convocação do servidor para regularização do ato.
+
(...)os casos nos quais o servidor deixa de apresentar a declaração de bens no momento da exoneração devem ser encaminhados à unidade de correição desta SES/DF, a fim de apurar quanto a necessidade de abertura de processo administrativo disciplinar. Ressalte-se que as unidades de gestão de pessoas, primeiramente, devem esgotar as possibilidades de convocação do servidor para regularização do ato.
 
</blockquote></small>
 
</blockquote></small>
8. Simultaneamente ao envio do e-mail ao servidor, no item 7, encaminhar Despacho para GMCA com o seguinte texto:
+
9. Simultaneamente ao envio do e-mail ao servidor, no item 7, encaminhar Despacho para GMCA com o seguinte texto:
 
<blockquote><small>
 
<blockquote><small>
 
'''À GMCA/DPAT/SUAG/SES''',<br>
 
'''À GMCA/DPAT/SUAG/SES''',<br>
Encaminhamos os autos para a emissão do Recibo de Quitação Patrimonial - RPQ do(a) servidor(a) XXXXXXXXXXXXX matricula 0000.000-0.
+
Encaminhamos os autos para a emissão do Recibo de Quitação Patrimonial - RPQ do(a) servidor(a) XXXXXXXXXXXXX matricula 0000.000-0.<br>
 
Atenciosamente,
 
Atenciosamente,
 
</blockquote></small>
 
</blockquote></small>
Linha 63: Linha 76:
 
<blockquote><small>
 
<blockquote><small>
 
'''Ao Gabinete da Unidade Setorial de Correição Administrativa – SES/CONT/USCOR''',<br>
 
'''Ao Gabinete da Unidade Setorial de Correição Administrativa – SES/CONT/USCOR''',<br>
Encaminhamos os autos solicitando a informação se o(a) servidor(a) XXXXXXXXXXXXX matrícula XXXXXX-X responde ou não à sindicância/processo administrativo disciplinar. Após, restituir para devidas providências.
+
Encaminhamos os autos solicitando a informação se o(a) servidor(a) XXXXXXXXXXXXX matrícula XXXXXX-X responde ou não à sindicância/processo administrativo disciplinar. Após, restituir para devidas providências.<br>
 
Atenciosamente,
 
Atenciosamente,
 
</blockquote></small>
 
</blockquote></small>
11. O GP/NGP deverá efetuar os cálculos e inclusão de documentos finais;
+
11. O GP/NGP deverá efetuar os cálculos e inclusão de documentos finais;<br>
12. Encaminhar este processo a GECAD para acertos financeiros;
+
12. Encaminhar este processo a GECAD para acertos financeiros;<br>
13. Encaminhar este processo ao NUAM para inclusão da tela de desligamento;
+
13. GECAD encaminhará este processo ao NUAM para inclusão da tela de desligamento;<br>
14. Retornar ao GP/NGP para ciência do servidor e arquivamento do processo.
+
14. O NUAM retornará ao GP/NGP para ciência do servidor e arquivamento do processo.
 +
 
  
O passo a passo completo e atualizado no que se refere à exoneração de cargo em comissão para não efetivos e Declaração de Bens na data da saída do cargo comissionado pode ser conferido na Circular n.o 14/2020 - SES/SUGEP/COAP<ref>[https://drive.google.com/file/d/1QEeQ9QiBKQKKn_YZDlqDLam42fnvEScq/view?usp=sharing Circular n.o 14/2020 - SES/SUGEP/COAP]</ref>.
+
O passo a passo completo e atualizado no que se refere à exoneração de cargo em comissão para não efetivos e Declaração de Bens na data da saída do cargo comissionado pode ser conferido na Circular nº 1/2022 - SES/SUGEP/COAP<ref>[https://drive.google.com/file/d/1iwXvyPyFOz0305mtT7zLzEbFuJgN69tZ/view?usp=sharing Circular nº 1/2022 - SES/SUGEP/COAP]</ref>.
  
 
= Dúvidas frequentes =
 
= Dúvidas frequentes =
  
{{FAQ|''' 1. Há alguma vedação para exoneração de servidor efetivo de cargo comissionado?'''
+
{{FAQ|''' 1. Servidora gestante pode ser exonerada de cargo comissionado?'''|A servidora gestante que ocupe cargo em comissão sem vínculo com o serviço público não pode, sem justa causa, ser exonerada de ofício, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto, salvo mediante indenização paga na forma do regulamento.<ref name=b></ref><br>}}<br>
 
 
|A servidora gestante que ocupe cargo em comissão sem vínculo com o serviço público não pode, sem justa causa, ser exonerada de ofício, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto, salvo mediante indenização paga na forma do regulamento. <ref>[http://www.fazenda.df.gov.br/aplicacoes/legislacao/legislacao/TelaSaidaDocumento.cfm?txtNumero=840&txtAno=2011&txtTipo=4&txtParte=. Lei Complementar nº 840 de 2011, art. 53]</ref><br><br><br>}}
 
 
 
{{FAQ|'''2. Posso desistir do meu pedido de exoneração?'''
 
 
 
|Sim. Desde que o faça antes da publicação da exoneração.<ref>[https://drive.google.com/file/d/1EBEOJStYFuytKlqOs0SXuTrSj_DJvlpk/view?usp=sharing Nota Técnica nº 36/2020 - SES/SUGEP/ACL] </ref> <br><br><br>}}
 
  
{{FAQ|'''3. Depois de pedir exoneração, preciso continuar trabalhando até a publicação?'''
+
{{FAQ|'''2. Posso desistir do meu pedido de exoneração?'''|Sim. Desde que o faça antes da publicação da exoneração.<ref>[https://drive.google.com/file/d/1EBEOJStYFuytKlqOs0SXuTrSj_DJvlpk/view?usp=sharing Nota Técnica nº 36/2020 - SES/SUGEP/ACL] </ref><br>}}<br>
  
|Não. Os efeitos do ato podem retroagir à data do pedido.<br><br><br>}}
+
{{FAQ|'''3. Depois de pedir exoneração, preciso continuar trabalhando até a publicação?'''|Não. Os efeitos do ato podem retroagir à data do pedido.<br>}}<br>
  
{{FAQ|'''4. Para onde envio o processo SEI com meu pedido de exoneração?'''
+
{{FAQ|'''4. Para onde envio o processo SEI com meu pedido de exoneração?'''|Para a sua Gerência de Pessoas.<br>}}<br>
  
|Para a sua Gerência de Pessoas.<br><br><br>}}
+
{{FAQ|'''5. Deve ser feito acerto exoneratório quando não há interstício entre a exoneração de um cargo e a posse no outro (mesmo DODF e matrícula)?'''|Conforme disposto no artigo 22 da IN nº 01/2014<ref>[http://www.sinj.df.gov.br/sinj/Norma/76837/Instru_o_Normativa_1_14_05_2014.html Instrução Normativa nº 01/2014]</ref>, ocorrendo exoneração de cargo em comissão ou a dispensa de função gratificada é obrigatório o acerto de contas, ainda que haja nova nomeação ou designação para outro cargo em comissão/função de confiança.<br>}}<br>
  
 
= Sugestões ou correções? =
 
= Sugestões ou correções? =
Linha 96: Linha 104:
 
= Referências =
 
= Referências =
 
<references/>
 
<references/>
 +
</div>
 +
[[Categoria:Admissão, Movimentação e Dimensionamento]]

Edição atual tal como às 19h36min de 1 de abril de 2022

É a cessação do exercício de um cargo provido por nomeação ou designação. Pode ser voluntária ou por recomendação da autoridade. [1]

A exoneração de cargo de provimento efetivo dá-se a pedido do servidor ou de ofício.[2]
A exoneração de ofício dá-se, exclusivamente, quando o servidor:
I – for reprovado no estágio probatório;
II – tendo tomado posse, não entrar em exercício no prazo estabelecido.

A exoneração de cargo em comissão dá-se:
I – a critério da autoridade competente;
II – a pedido do servidor.


Instrução processual

Todo ato administrativo (no caso, o desligamento do servidor) deve possuir uma justificativa, ou seja, a instrução do devido processo legal que configura uma regulação em que a administração fornece as razões para seus atos e a aplicação das normas jurídicas.

O servidor que for exonerado, seja a pedido ou por fim de vínculo contratual, deverá procurar o núcleo de pessoal da unidade de lotação para, por meio de requerimento próprio, apresentar as seguintes documentações:[3]

a) Requerimento de exoneração a pedido ou publicação da exoneração em Diário Oficial;
b) Requerimento de verbas rescisórias (quando aplicáveis);
c) Declaração de bens atualizada e condizente com a data da exoneração;

(...) “Art. 13. A posse e o exercício de agente público ficam condicionados à apresentação de declaração dos bens e valores que compõem o seu patrimônio privado, a fim de ser arquivada no serviço de pessoal competente.
§ 1° A declaração compreenderá imóveis, móveis, semoventes, dinheiro, títulos, ações, e qualquer outra espécie de bens e valores patrimoniais, localizado no País ou no exterior, e, quando for o caso, abrangerá os bens e valores patrimoniais do cônjuge ou companheiro, dos filhos e de outras pessoas que vivam sob a dependência econômica do declarante, excluídos apenas os objetos e utensílios de uso doméstico.
§ 2º A declaração de bens será anualmente atualizada e na data em que o agente público deixar o exercício do mandato, cargo, emprego ou função.
§ 3º Será punido com a pena de demissão, a bem do serviço público, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, o agente público que se recusar a prestar declaração dos bens, dentro do prazo determinado, ou que a prestar falsa.
§ 4º O declarante, a seu critério, poderá entregar cópia da declaração anual de bens apresentada à Delegacia da Receita Federal na conformidade da legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, com as necessárias atualizações, para suprir a exigência contida no caput e no § 2° deste artigo. (...)” [4];

d) Termo e entrega de crachá.

O acerto de contas é feito mediante apresentação da declaração de bens e apresentação dos demais documentos acima, no núcleo de pessoal de lotação do servidor. Os dias trabalhados no mês da exoneração serão pagos no acerto de contas.

Rotina no setorial de pessoas - desligamento de servidor comissionado

O servidor sem vínculo efetivo com a SES, nomeado para cargo comissionado, ao ser exonerado em ato publicado em DODF tem o cargo retirado, ou seja, desvinculado da matrícula atribuída a este servidor. A GP/NGP deve então afastá-lo no Sistema de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH). O procedimento de retirada do cargo ocorre manualmente com o acompanhamento diário das publicações no Diário Oficial do DF pelo NUAM - Núcleo de Admissão e Movimentação; já o procedimento de afastamento e abertura do processo de exoneração/desligamento deve ocorrer através da GP/NP do servidor.

O status de "normal" ou "afastado" deve ser provisório e obrigatoriamente migrar para o status de "desligado" após a instauração do devido processo legal.

  • A instrução do devido processo legal é de competência da GP/NGP do local de lotação do servidor, responsável pela vida funcional dos servidores conforme Decreto nº 39546/2018[5] que aprova o Regimento Interno da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

É indispensável a abertura de Processo SEI devidamente instruído, conforme os seguintes passos:

1. Verificar no DODF as exonerações do dia relativos à sua região/responsabilidade;
2. Salvar em PDF negritando o nome do servidor a página da publicação da exoneração;
3. Abrir um processo com o assunto “Pessoal: exoneração de cargo em comissão”;
4. Inserir um histórico no CADHIS88: foi aberto um processo de exoneração com o número 00060-xxxxxxxx/xxxx-xx anexando no campo documento o número do processo SEI;
5. Incluir os dados da exoneração em planilha com nome, matrícula, DODF da exoneração e nº do processo. Tal planilha é importante para controle do Setorial de Pessoal e para prestação de contas a órgãos de controle;
6. Anexar ao processo a publicação salva do DODF;
7. Anexar ao processo a ficha cadastral do servidor (CADRCA07);
8. Encaminhar e-mail no processo solicitando o preenchimento e digitalização da Declaração de bens preenchida, assinada com a data da publicação no DODF, em PDF. No e-mail deve constar a página do DODF do item 2 como anexo, bem como a Declaração de bens para o preenchimento. Após o retorno do servidor, anexar a declaração de bens preenchida e assinada ao processo de exoneração do servidor. Caso não haja resposta com a Declaração de Bens, seguir orientação da Assessoria de Carreiras e Legislação - SES/SUGEP/ACL, no processo 00060-00032625/2019-35, que orienta encaminhar à USCOR para apuração conforme abaixo:

(...)os casos nos quais o servidor deixa de apresentar a declaração de bens no momento da exoneração devem ser encaminhados à unidade de correição desta SES/DF, a fim de apurar quanto a necessidade de abertura de processo administrativo disciplinar. Ressalte-se que as unidades de gestão de pessoas, primeiramente, devem esgotar as possibilidades de convocação do servidor para regularização do ato.

9. Simultaneamente ao envio do e-mail ao servidor, no item 7, encaminhar Despacho para GMCA com o seguinte texto:

À GMCA/DPAT/SUAG/SES,
Encaminhamos os autos para a emissão do Recibo de Quitação Patrimonial - RPQ do(a) servidor(a) XXXXXXXXXXXXX matricula 0000.000-0.
Atenciosamente,

10. Simultaneamente ao envio do e-mail ao servidor, no item 7, encaminhar Despacho para USCOR com o seguinte texto:

Ao Gabinete da Unidade Setorial de Correição Administrativa – SES/CONT/USCOR,
Encaminhamos os autos solicitando a informação se o(a) servidor(a) XXXXXXXXXXXXX matrícula XXXXXX-X responde ou não à sindicância/processo administrativo disciplinar. Após, restituir para devidas providências.
Atenciosamente,

11. O GP/NGP deverá efetuar os cálculos e inclusão de documentos finais;
12. Encaminhar este processo a GECAD para acertos financeiros;
13. GECAD encaminhará este processo ao NUAM para inclusão da tela de desligamento;
14. O NUAM retornará ao GP/NGP para ciência do servidor e arquivamento do processo.


O passo a passo completo e atualizado no que se refere à exoneração de cargo em comissão para não efetivos e Declaração de Bens na data da saída do cargo comissionado pode ser conferido na Circular nº 1/2022 - SES/SUGEP/COAP[6].

Dúvidas frequentes

1. Servidora gestante pode ser exonerada de cargo comissionado?
A servidora gestante que ocupe cargo em comissão sem vínculo com o serviço público não pode, sem justa causa, ser exonerada de ofício, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto, salvo mediante indenização paga na forma do regulamento.[2]

2. Posso desistir do meu pedido de exoneração?
Sim. Desde que o faça antes da publicação da exoneração.[7]

3. Depois de pedir exoneração, preciso continuar trabalhando até a publicação?
Não. Os efeitos do ato podem retroagir à data do pedido.

4. Para onde envio o processo SEI com meu pedido de exoneração?
Para a sua Gerência de Pessoas.

5. Deve ser feito acerto exoneratório quando não há interstício entre a exoneração de um cargo e a posse no outro (mesmo DODF e matrícula)?
Conforme disposto no artigo 22 da IN nº 01/2014[8], ocorrendo exoneração de cargo em comissão ou a dispensa de função gratificada é obrigatório o acerto de contas, ainda que haja nova nomeação ou designação para outro cargo em comissão/função de confiança.

Sugestões ou correções?

Encontrou um erro ou tem sugestão de conteúdo? Envie um e-mail para saudelegal@saude.df.gov.br com suas sugestões.

Referências